Medo de viagem

Este é um arquivo com o texto principal da newsletter. Se quiser acompanhar o conteúdo completo todas as segundas-feiras, clique aqui.


Jonathan Holdorf. 2018.

Jonathan Holdorf. 2018.

Eu não sei quando isso começou a acontecer. Em um momento aleatório, eu não conseguia mais viajar. Fico nervoso, me irrito se qualquer coisa dá errada, passo mal de ansiedade e acabo tendo uma experiência horrível porque não consigo me concentrar no que estou fazendo. 

Não é como se eu tivesse sofrido algum trauma. Até pouco tempo viajar era algo comum: saía de Florianópolis para passar férias na minha cidade do interior do Rio Grande do Sul, voltava para Floripa e nada acontecia. Num ano em particular fiquei tão mal que decidi nunca mais viajar (de ônibus, pelo menos).

O pior é que isso desencadeou em outros medos relacionados e agora não consigo me desvencilhar deles, também. O que diabos o meu cérebro está querendo me dizer? 

Jonathan Holdorf. 2018.

Jonathan Holdorf. 2018.

O irônico é que fotografia e viagem caminham lado a lado. "Quanto mais você viaja, mais consegue enriquecer as suas imagens", dizem eles. Pois eu não sei se isso é verdade. Não consigo enriquecer as minhas através de viagens, porque estou mais preocupado se vou morrer nos próximos dois segundos (risos).

Quando era criança vi lugares lindos, fui para cidades incríveis, passeei pelos cânions da serra do Rio Grande do Sul e vi um sapo branco. Nada disso pude registrar. Digo, registrei em câmeras analógicas. Mas queria poder fazer isso hoje. Não posso. Agora que sei fotografar não posso fotografar.

Jonathan Holdorf. 2018.

Jonathan Holdorf. 2018.

Eu sei que terapia é o melhor passo a ser tomado neste caso, mas não duvide quando eu digo que ainda não consegui a oportunidade de fazer. Aliás, terapia resolveria muitos outros problemas que a gente só vai empurrando com a barriga esperando que eles parem sozinhos. Pelo menos eu faço isso com frequência. Mas olha só!! Estou fazendo yoga há mais de um mês e me sinto mais calmo, porém nunca mais tentei viajar para saber como anda a situação.

Enfim, enquanto não consigo dar conta disso, me vejo registrando cenas frias de uma cidade repleta de paisagens maravilhosas. As fotografias acima podem ser alguma espécie de impressão do que a minha mente vê enquanto estou sofrendo em um ônibus: a beleza tentando aparecer, mas acobertada pela apatia de uma ansiedade que não se esvai.