NEWSLETTER 18.03.2019: Máquinas Agrícolas e Museus

Este é um arquivo com o texto principal da newsletter. Se quiser acompanhar o conteúdo completo todas as segundas-feiras, clique aqui.


Interior de Erechim, RS. 2015.

Interior de Erechim, RS. 2015.

O menino nasceu no interior. O único tipo de exposição que ele visitava era de máquinas agrícolas gigantescas e de animais do campo comendo pasto e despejando bostcholas pelo chão; ou da sinfonia de porcos gritando no chiqueiro. A cada dois séculos, sua escola levava a sua turma para assistir à uma peça de teatro ou para caminhar entre as estantes da feira do livro.

Mas exposição de arte? Ele nunca tinha visto.

Depois de adulto, pelos seus 20 e poucos anos, ele decidiu sair do interior e ir para a capital. Agora ele podia visitar museus e frequentar exposições. Ele podia conhecer a cultura. Na primeira semana de aula viu a sua primeira exposição e achou incrível.

Depois de um tempo visitou algumas outras, mas sempre saía com uma sensação anticlimática — como se não fosse inteligente o suficiente para ver aquilo ou até mesmo para produzir algo semelhante. O quadro o encarava e nada dizia.

Rebaixava-se a toda oportunidade, pensava que apenas os outros podiam fazer aquilo. Como eu não entendo? Por que eu não entendo?

Ele demorou a perceber que arte não é necessariamente sobre entender, mas sobre sentir. Quando começou a escutar músicas que tocavam a sua alma compreendeu o que todos sempre falavam sobre a importância da arte.

Mais e mais foi procurando coisas que o deixavam assim. Ele buscou aprender sobre processos criativos e sobre como as engrenagens daquele mundo funcionavam.

Ele evoluiu. Ele continua evoluindo.

Ele não tem mais medo do quadro silencioso. Ele precisava somente aprender a ouvi-lo.


Eu amo a capacidade que a internet tem de nos ensinar.

Se você já clicou em alguns links das minhas newsletters anteriores, viu que eu compartilho muitos vídeos do canal The Art Assignment. Foi o primeiro canal relacionado às artes que eu comecei a seguir para compreender um pouco mais sobre o assunto.

Mas hoje eu quero trazer três indicações ótimas, que me ensinaram muito, e tudo isso graças à belíssima conexão da internet. Primeiro, os vídeos de Q&A do MoMA (Museu de Arte Moderna) com as curadoras do museu. É absurdo o tanto de conhecimento que você recebe em um pouco mais de 1h e ainda por cima pode ver o acervo e como funcionam os bastidores daquele lugar, que um dia ainda espero visitar.

Segundo, essa série chamada “At the Museum”, também do MoMA, que mostra os bastidores da vida no museu. São vídeos curtos, mas que valem cada segundo.

Por último: Tate Shots — para conhecer sobre diversos artistas e suas perspectivas. São pequenos documentários muito legais que me ajudaram a construir o meu trabalho e a entender os processos de outras pessoas.


VEM ME ASSISTIR

O vídeo desta semana é, obviamente, sobre museu. Eu fui ao MASC (Museu de Arte de Santa Catarina) e conferi algumas obras expostas por lá. Aproveitei para fazer um vídeo estilo vlog contando a minha perspectiva sobre a visita.