NEWSLETTER 06.05.2019: EnCLOUDsurado

Este é um arquivo com o texto principal da newsletter. Se quiser acompanhar o conteúdo completo todas as segundas-feiras, clique aqui.


Eu amo observar as nuvens. Adoro ver o movimento, a textura e a profundidade daqueles algodões flutuantes no céu. Enquanto o carro anda, eu concentro os olhos meus em alguma nuvem favorita até perdê-la de vista ou até ela se desintegrar ou se fundir com um dinossauro deformado.

Nuvens são perfeitas para um começo de conversa. Basta olhar para o céu e perguntar se a pessoa ao seu lado também está vendo aquele formato esquisito que só você consegue enxergar.

"Olha ali, ó, as orelhas. Não acredito que você não vê!"

"?? Eu só vejo uma casa"

"Ué, é uma casa com orelhas. É isso que eu estou tentando explicar há 10 minutos".

Não sei até que ponto esse diálogo pode ser real, mas o fato é que nuvens são divertidas, são simples e criam sorrisos.

Jonathan Holdorf. 2019.

Jonathan Holdorf. 2019.


Alvin Langdon Coburn   The Cloud | 1912

Alvin Langdon Coburn
The Cloud | 1912

O mesmo aconteceu nesta outra fotografia feita em 2015 quando viajei para Erechim, no Rio Grande do Sul, a cidade na qual eu morei durante 20 anos até me mudar para Florianópolis. Naquela viagem também saí para fotografar enquanto me exercitava caminhando pelas ruas do bairro.

Ali, vi a casa que me fez voltar no tempo, como se ela estivesse atravessando alguma realidade e permitindo-se aparecer somente para mim naquele instante. Ela parecia deslocada perante todas as outras residências e me fez imaginar o que teria acontecido com ela, qual a sua história e o motivo do seu silêncio e da sua decadência.

Eu nunca terei respostas sobre as casas. Talvez isso seja para o melhor, pois assim continuarei imaginando.

É por isso que fotografar nuvens me encanta. Por um tempo passei olhando para o céu em diferentes momentos do dia para registrar a mudança que a natureza nos traz diariamente. Como é possível o mesmo lugar ser tão diferente por causa das nuvens? 

Mas, às vezes, a nuvem perfeita - como a da primeira foto - está enclausurada pelos fios de eletricidade e não se permite ser fotografada em toda a sua glória. Porém não considero isso como um defeito. É a história daquela nuvem contada naquele dia e naquele momento.