A História dos Autorretratos

Este é um arquivo com o texto principal da newsletter. Se quiser acompanhar o conteúdo completo todas as segundas-feiras, clique aqui.


“Um fotógrafo aparece fotografando a si mesmo em seu estúdio” Wheeler, Fotógrafo, 1893. (   Disponível aqui   ).

“Um fotógrafo aparece fotografando a si mesmo em seu estúdio”
Wheeler, Fotógrafo, 1893. (
Disponível aqui).

Enquanto cidadão do mundo atual eu passo boa parte dos meus momentos reflexivos tentando entender como as nossas criações serão vistas pelas pessoas no futuro. No início da história da fotografia, por exemplo, os primeiros fotógrafos experimentavam técnicas com as suas câmeras que pesavam 900 mil quilos, faziam fotos tremidas e o processo de captura estava mais para algum tipo de tortura.

Mas aquilo era novidade. Fazer um autorretrato naquela época foi inovador — o começo de algo que ninguém sequer poderia imaginar que estaríamos fazendo até hoje. Ainda lembro de todas as fotos constrangedoras feitas com a famosa “digital” nos tempos do Flogão. (Entregando a idade, mas eu ainda vivi aventuras em filme antes mesmo de mexer nos aparelhos moderninhos).

Naquela época não chamávamos de selfie, muito menos de autorretrato.

Selfie ou autorretrato: não importa. São a mesma coisa. A primeira palavra a gente desdenha; a segunda nós pensamos ‘uau, esse cara faz arte’. Como tudo na vida, o que importa é como usamos a ferramenta e como propagamos o que criamos.

De qualquer maneira, estamos fazendo história. Assim como na história da arte, eles também criaram o caminho para o que temos agora.

Eu não sei qual será o ponto final para o que estamos vivendo, mas é empolgante pensar que estamos escrevendo algo muito legal para futuras gerações de artistas, que poderão expressar-se de maneiras que ainda nem conseguimos vislumbrar.