As fotografias artísticas criadas para a segunda temporada da série THE OA da Netflix

Em 2016 eu comecei a assistir à série The OA na Netflix. O conceito dela me chamou a atenção quando foi lançada, pois ela cria um mistério sobre a nossa realidade e os segredos do universo, que não conhecemos e nem conseguimos explicar. É uma espécie de Twin Peaks, que começa normal e vai ficando cada vez mais interessante e surreal com o desenvolvimento da trama. E para quem ama o trabalho da Brit Marling como diretora, escritora e atriz, a série é um prato cheio.

The OA também é linda. Todo o trabalho criado pela equipe técnica transforma o visual em uma obra de arte de se assistir. Ela transita em elementos surrealistas, caminha pelo mundo real e investiga as nuances do desconhecido, dos seres humanos e das suas diferenças. Vale muito à pena.

Olha só a sinopse:

A série centra-se em Prairie Johnson (Brit Marling), uma jovem adotada e inicialmente cega, que ressurge depois de ter desaparecido por sete anos. Após seu retorno, Prairie se auto denomina como “OA”, contém cicatrizes nas costas e com a capacidade de enxergar. Prairie se recusa a dizer ao FBI e seus pais adotivos onde ela esteve, o que houve com ela e como sua visão foi restaurada; ao invés disso ela rapidamente monta uma equipe de cinco moradores da cidade (principalmente garotos do ensino médio) a quem ela revela toda informação omitida e explicando sua história de vida. Finalmente, ela pede ajuda para salvar as outras pessoas desaparecidas que ela afirma estarem atualmente em outra dimensão
— Wikipedia - The OA

No dia 22 de março, The OA voltará às telas e poderemos ver a continuação dessa história. Mas enquanto não chega o grande dia, a Netflix fez algo muito legal em parceria com fotógrafos-artistas, que tiveram a oportunidade de registrar momentos das gravações com os seus próprios olhares. Olivia Bee, Kyle Thompson, Martina Matencio, Daniel Rueda e Anna Devís, Eda Dürüst, Teresa C. Freitas, e Hick Duarte foram as pessoas escolhidas - ao redor do mundo - para registrarem uma ou mais cenas enquanto a série estava sendo gravada. Foi dada total liberdade para que criassem com os seus estilos artísticos.

Abaixo você pode observar as imagens e notar como cada uma delas é criada a partir de uma percepção diferente de cada artista. O que mais me chama a atenção nesse projeto da Netflix é como o trabalho conversa com o que assistimos durante os episódios. Aqui temos artistas de diferentes criações, países, vivências e estilos, assim como The OA nos mostra a diversidade de personagens que unem-se, mesmo com todas as suas diferenças, e criam algo lindo em favor de um objetivo muito maior.


 
 

Quando eu vi a matéria no Artsy sobre essas fotos eu precisei compartilhar aqui no meu blog, pois tudo isso tem muito a ver com o que eu mostro nos meus trabalhos, por exemplo, em Paisagens Flutuantes, que explora a nossa bagagem cultural ao produzir uma imagem e para interpretá-la. Falo mais sobre o assunto no meu curso online Descubra o Seu Estilo e nos exercícios exclusivos para Transformar o Seu Olhar na minha newsletter semanal.

E aí, você está pensando em assistir The OA ou já está na expectativa para a Parte II? E o que você achou das imagens? Pode deixar um comentário abaixo!