7 dicas para fotógrafos iniciantes criarem o seu portfolio

É bem comum, no início da vida fotográfica, não termos ideia de como organizar um portfolio ou como escolher imagens que façam sentido, conversem entre si e contem uma história. Mas, quanto mais desenvolvemos o nosso olhar e, quanto mais exercitamos a visão artística do que as nossas fotografias querem dizer, aos poucos vamos compondo um corpo de trabalho que faz muito sentido.

Então, se o mosquito da arte resolveu te picar e você está aí tentando ao máximo criar trabalhos fotográficos, seja como hobby ou seja profissionalmente no mundo artístico, construir um portfolio é um passo fundamental para entender o seu trabalho como um todo.

Neste post eu vou te dar os passos que eu usei ao organizar o meu portfolio. Saiba que cada pessoa tem um processo e este foi um dos meus. Você não precisa obrigatoriamente seguir tudo à risca.

Convívio Oposto, 2018. - Jonathan Holdorf


#1 Selecione todas as suas fotografias

Se você for como eu que gosta de fotografar absolutamente tudo, provavelmente tem diversas fotos espalhadas pelo HD, Google Drive, Dropbox, Lightroom ou na galeria do celular. E não tem problema! O importante é você estar se movimentando e criando. Mas está tudo desorganizado! Você precisa, antes de dar qualquer outro passo, ter as suas fotografias em um só lugar. Agora é hora de investigar e salvar. Coloque todas em uma pasta e siga para a próxima etapa.


#2 Separe e exclua

Esta é uma das partes mais difíceis para qualquer artista: escolher. Provavelmente, no passo #1, você foi descobrindo diversas fotos que ama e gostaria muito de ver no seu portfolio. Mas, às vezes, a nossa foto favorita precisa ficar de lado. Ela não precisa ser excluída, mas infelizmente não funciona como parte de um corpo de trabalho. Mas fique tranquilo! Você tem tanta coisa incrível e ainda fará muito mais!

A ideia neste passo é um pouco abstrata, também. Você deverá olhar para as suas fotografias e colocá-las lado a lado (se puder imprimi-las, melhor). Tente descobrir quais contam histórias se colocadas em conjunto. Pode ser esteticamente, por técnica, local ou assunto. Talvez você já tenha feito isso inconscientemente ou conscientemente. Agora é hora de organizá-las em novas pastas.

Crie uma pasta para cada “série” de fotos. Faça e refaça este exercício até você sentir que, dentro de uma pasta, há fotos que formam uma narrativa. Você pode tentar montar um Power Point com as fotografias, organizar a ordem de cada uma e sentir a mensagem daquele conjunto.

O que restar deixe em uma pasta separada. O nome da minha é “Diversas”. Lá, tem um carnaval de fotos que eu ainda uso, mas não fazem parte de um conjunto.


#3 Estude e escreva

Você tem as pastas com as suas fotografias separadas em séries, mas elas ainda não dizem muita coisa. Elas falam com você. Você sabe do que elas se tratam. Mas, e para quem vê? Qual é o conceito daquelas imagens?

Para isso é preciso estudar e escrever.

Em alguns casos você já terá ideia do que escrever. ÓTIMO! Agora escreva. Faça um texto de uma página para botar tudo no papel e depois faça um texto menor, de no máximo 10 linhas, que resuma exatamente o conceito. Pode ser poético, pode ser acadêmico. O texto, assim como as fotos, fazem parte da sua arte. Liberte-se e crie!

Em outros casos você terá de estudar para que as fotografias tenham mais conteúdo.

Você perceberá que este processo, por mais difícil e cansativo que seja, dará um novo significado ao seu trabalho e você saberá falar sobre as suas fotografias. Por isso, exercite escrever sobre as imagens sempre que fizer algo novo.

Ephemerality, 2018. - Jonathan Holdorf


#4 Peça opiniões

Eu sei. É difícil pedir para as outras pessoas opinarem sobre as nossas imagens. Isso nos deixa vulneráveis, mas é fundamental. Converse com amigos, mostre para desconhecidos na internet, faça workshop de fotografia. Peça opinião sincera destas pessoas. Não aceite “ah, que lindo!” ou “não gostei”. Pergunte o que aquelas imagens as fazem sentir de verdade .

Não se ofenda, absorva as opiniões, selecione o que você achar importante e exclua o que você achar descartável.


#5 Escreva a sua “Declaração do Artista”

Você já escreveu todos os textos e já selecionou todas as séries. Agora fale sobre você em um texto de no máximo 300 palavras. Não exagere. Fale sobre o que o seu trabalho tem a dizer, quais são os seus pontos de estudo, quais as técnicas e motivações das suas fotografias. Faça um texto conciso para que o leitor saiba o que esperar antes de ver as imagens.


#6 Crie o seu portfolio digital

Seja um site, seja um PDF feito no InDesign ou Power Point; você precisa ter o seu portfolio disponível para que as pessoas possam vê-lo. Selecione apenas as melhores séries de imagens e apenas as melhores fotos de cada série. Não encha de imagens, não deixe o arquivo lotado de conteúdo. Seja minimalista, escolha o melhor do melhor. São essas fotografias, AS MELHORES DE TODAS, que vão chamar a atenção. Dá pena em deixar algumas de fora? Dá, mas menos é mais.

No portfolio:

Fale sobre você (Declaração do Artista);
Seu Currículo de Artista (workshops, cursos presenciais e online, etc);
Título da série, ano e texto (lembra do texto?)


#7 Descubra e redescubra o seu estilo

Mantenha-se em movimento. Crie, atualize o seu currículo, veja arte, fotografe, escreva novos textos, altere o seu portfolio, refaça o portfolio por completo. Esteja sempre entendendo a sua arte de novas formas. Este é o processo em que ela ganhará mais vida e você entenderá mais sobre si.

Se você deseja descobrir mais sobre o seu trabalho e entender sobre a sua fotografia e a sua criatividade, eu desenvolvi um curso online chamado Descubra o Seu Estilo com aulas e exercícios práticos para entender como a nossa bagagem cultural influencia nas nossas criações.


É isso. Espero que estas dicas tenham sido úteis para você e que, aos poucos, você consiga criar o seu portfolio. Se você quiser mais dicas sobre fotografia e bater um papo sobre o mundo, assine a minha newsletter abaixo. Todas as segundas-feiras você receberá uma nova cartinha!